PRECISAMOS FALAR SOBRE ÚTERO E VAGINA

Desde o nosso nascimento somos desmotivadas a liberdade de conhecer o nosso corpo. Enquanto meninos são incentivados a “pegar no pipi”, meninas escutam frequentemente frases como: “tira a mão daí, não pode”, e até mesmo que “é sujo”. Sim, muitas mulheres, se não a maioria, já ouviu que sua vagina é suja. Mas porquê o órgão reprodutor masculino é tão endeusado enquanto o nosso é demonizado? Misoginia, machismo. Crescemos em um tabu absurdo que tudo relacionado ao nosso corpo é “do mal”, é ruim, ou até mesmo motivo de piadas, e temos muita dificuldade para romper com essa tradição que nos menospreza. Mas precisamos.

Mesmo dentro do movimento feminista pouco se fala de vagina e utero, e precisamos falar, pois é exatamente ter a parte reprodutora feminina que nos fez sofrer todas as opressões, desde quando nascemos.
Nosso corpo é a nossa resistência e precisamos nos orgulhar dele.

Quando começa as descobertas do corpo?
Antes que possam imaginar.
É comum ver bebês por volta de 1 ano colocarem a mão em suas partes intimas. Quem conviveu ou convive com crianças sabe como é essa fase, principalmente do incentivo recebido se a criança for do sexo masculino.

RELATO:

Tenho uma filha de 2 anos, e com ela não foi diferente.
Me lembro uma vez, antes mesmo dela fazer 1 aninho, fui trocar a sua fralda e ela colocou a mãozinha, como todo bebe faz, e minha mãe disse: tira a mão dai, eco, é sujo.. urgh.. fedô. Fazendo sinal de “mal cheiro”. Eu respondi automaticamente: não é sujo. É limpo, lavo todos os dias. Não quero que ela cresça sentindo nojo do próprio corpo. Ela só quis saber o que tinha lá, vive de fralda, ficou curiosa.
Não julgo os mais velhos, foram ensinados assim.
Hoje com 2 anos quando ela resolve colocar a mão eu sempre digo: Filha, é sua e só você pode colocar a mão, tá bom? Mas não pode fazer isso na rua.
Além de não repreendê-la, eu ensino a forma correta de lavar a vagina: Sabão por fora, água por dentro. Não há necessidade de passar sabão por dentro. Sempre passe muita água, mas sabonete não.

 
Muito se fala sobre como nosso corpo deve ser, como devemos parecer pra nos encaixarmos nos padrões sociais mas, pouco se fala a respeito dele, sobre a nossa biologia e como devemos nos cuidar. Já passou da hora de desassociarmos a nossa vagina de algo sujo, vamos nos cuidar, nos tocar, nos conhecer melhor. Você sabe cuidar da sua vagina? Nossa vagina possui um pH próprio, acido, esse pH faz com ela seja de certa forma “autolimpante”, ele impede que se proliferem ali fungos e bactérias pois esses não sobrevivem a acidez. Agora, você sabe o que acontece quando limpamos excessivamente nossa vagina? O nosso pH é alterado, fazendo com que esse ambiente fique propicio a proliferação desses micro-organismos que podem nos causar diversas doenças, a mais comum delas é a candidíase. O ideal é que lavemos somente a parte externa, a vulva, com sabonete neutro, a parte de dentro só com água, nada de sabonete íntimo ou similares, não se preocupe, a sua vagina não vai ficar suja ou com cheiro desagradável por isso, pelo contrário, o uso de sabonetes a longo prazo acaba aumentando o nosso odor natural e corrimento, já que ele pode desregular o pH e fazer com que bactérias se proliferem ali e vale ressaltar que TODA vagina tem cheiro, isso não é ruim, é natural e faz parte de nós. E a calcinha? Ela passa a maior parte do tempo em contato com a sua vagina, também é parte importante pra mante-la saudável mas, a preferência é que não a utilizemos, pelo menos na hora de dormir – nem calcinha nem qualquer outro tipo de roupa que comprima a região – e se for usar dê preferência ao algodão, evitando tecidos sintéticos. Na hora de lavar dê preferência ao uso de sabão de coco ou neutro, não use amaciantes ou cloro, na hora de secar deixe exposto em um lugar arejado e de preferência que bata sol, nunca deixe-a secando no banheiro. Quando nós nos depilamos deixamos uma ferida logo a baixo da superfície da pele, os pelos estão firmemente presos a nossa pele – por isso arranca-los dói – e tem a função de nos proteger de micro-organismos externos que também podem nos causar infecções, quando nos depilamos, além de estarmos retirando essa proteção, causamos lesões nos poros o que aumenta mais ainda o risco de contrairmos tais problemas, as infecções de modo geral precisam de contato pra se espalhar, em uma pele machucada a transmissão é fácil. Além disso, a depilação também pode ocasionar foliculite, que são umas bolinhas que parecem espinhas e são bem comuns. Não existe ligação direta entre a depilação e a falta de higiene, pelo contrário, manter seus pelos é mais higiênico e eu lhe garanto que se você fizer tudo certinho não vão haver problemas. Depois de fazer sexo ou se masturbar é imprescindível que você faça xixi, é normal que durante a movimentação algum micro-organismo vá parar na sua uretra e isso acaba causando cistite, também conhecida como infecção urinária. Já está com cistite? Não se desespere, beba bastante água – MUITA mesmo – e procure um médico o quanto antes, esse problema pode se espalhar e ir parar nos seus rins, causando diversas complicações. Não use absorventes diários, eles impedem a transpiração favorecendo a proliferação de micro-organismos. Quando estiver menstruada é necessário que se troque de absorvente pelo menos 3 vezes ao dia, o sangue parado em contato com a pele é um ambiente muito propício a crescimento de bactérias que podem nos causar diversos problemas, se possível use o coletor menstrual, é mais higiênico, mais barato e a ainda diminui a produção de lixo no nosso planeta.
Vamos falar sobre vagina e sobre utero sim, pois o maior motivo de sermos oprimidas é justamente termos nascido com o órgão reprodutor feminino. Precisamos falar disso, ou continuaremos apagadas.

Texto por: Ana Trento e Thay Barbosa 

25 anos, mãe, casada. Entrei para a política no ano de 2016 e estou muito realizada podendo ajudar mulheres e crianças de mais formas. Sou feminista Radical, acredito que gênero seja hierarquia e preciamos abolir o mesmo.

Deixe uma resposta