Uma “opressão” pra chamar de MINHA.

HETEROFOBIA, FEMISMO, MAGROFOBIA, RACISMO REVERSO(contra bancos), CRISTOFOBIA…NÃO EXISTEM!

 

Esses tipos de “preconceitos” que vocês inventam é aquela velha história de: “Uma opressão pra chamar de minha.”

 

Vamos lá,

Se você chama um hétero de hétero escroto, hétero sujo, isso pode se caracterizar como uma ofensa, mas chamar alguém de: viado escroto, ou lésbica suja, é CRIME, e esse ato é caracterizado como HOMO/LESBOFOBIA.

Pessoas heterossexuais sofrem um total de zero coisas por serem heterossexuais, “exceto se essa heterossexualidade for compulsória”, mas aí temos que abordar e levar em conta outros fatores e isso não exime a existência dos privilégios.

Já pessoas homossexuais não são aceitas socialmente e sofrem diariamente todo tipo de discriminação e preconceito, APENAS por serem homossexuais. Esses preconceitos inclusive se comprovam estatisticamente ao se observar o quanto eles são agredidos e mortos diariamente.

Foto de Luana Barbosa, espancada e morta pela polícia de São Paulo apenas por ser lésbica.

 

“Machonicidio” rs não existe! Não existe todo um sistema “matriarcal” onde os homens são agredidos, estuprados, torturados, abusados, assediados e mortos diariamente por mulheres, apenas por serem homens, logo femismo seria isso, então femismo e misandria também não existem!

A cada 11 minutos uma mulher é estuprada no Brasil. A cada 5 minutos, uma mulher é agredida, crianças e adolescentes são as principais vítimas, e homens os principais agressores. Isso se chama MACHISMO.

 

Uma pessoa apresentar algum problema de saúde ou genético, ou ter algum distúrbio alimentar que a faça ser ou estar muito magra, como algo que “aparente” fugir do “natural”, e essa pessoa ser apelidada de forma ofensiva, não é aceitável, mas isso não caracteriza “magrofobinha”, porque magrofobia não existe. Nós vivemos em uma sociedade onde pessoas gordas sofrem um preconceito muito forte, é algo além do comum. A tv, os livros, as revistas, incentivam a gordofobia todos os dias, criando um padrão de beleza “aceitável” e pessoas gordas não cabem nesse padrão. Pessoas gordas são discriminadas, são motivo de chacota. Ser gordo nessa sociedade é um puta empecilho para se viver. Pessoas magras, e apenas magras, não passam por nenhuma situação social do tipo, APENAS pelo fato de serem magras, não existe um preconceito social relacionado ao fato de ser magro, então apenas parem de falar em magrofobia.

Chamar uma pessoa de “magrela”/”magrelo”, é uma ofensa comum. Chamar uma pessoa de gorda de forma pejorativa, ou fazer comparações ofensivas remetendo a sua aparência física, é GORDOFOBIA!

 

Racismo. Pessoas Brancas não sofrem apenas por serem brancas. A sociedade não exclui ninguém por ser branco, ninguém perde uma oportunidade de emprego por ser branco, e se já aconteceu, são casos isolados que não se caracterizam racismo.

Os negros foram escravizados por séculos, as consequências sociais disso na vida de pessoas negras são gravíssimas. Pessoas negras morrem todos os dias aos montes apenas por serem negros. Pessoas negras fazem parte dos grupos mais afetados socialmente, ocupam em massa a periferia, estão em profissões escravistas, na prostituição, moram nas ruas, não tem acesso ao meios acadêmicos e nem ao trabalho. Pessoas negras em geral crescem convivendo diariamente com o racismo, na escola, no trabalho, na faculdade, quando conseguem acessar a esses meios, pois isso lhes é negado. A sociedade nega espaços todos os dias a pessoas negras, e essas se vêem inseridas nos piores quadros sociais, inclusive na criminalidade. Aí vem você, branco, do alto da sua soberania de privilégios dizer que uma, uma, UMA(1), pessoa te chamou de branquelo, palmito, fantasma, azedo, e quer caracterizar isso como RACISMO???

Racismo é algo estrutural, surgiu porque um dia os brancos consideraram os negros e indígenas(e outros grupos em outros países) inferiores e decidiram os escravizar e os tomar como posse. Pessoas negras sofrem consequências disso até hoje, no mundo todo.

Chamar uma pessoa branca de palmito, é uma ofensa muito leve, se comparada ao RACISMO INSTITUCIONAL vivenciado por pessoas negras TODOS OS DIAS, as tornando preteridas em todos os quesitos sociais.

Chamar alguém de “palmito” não é RACISMO, chamar um negro de macaco é!

 

Nós vivemos em uma sociedade racista, que se apropria da cultura, comida, e identidade dos negros, mas quando a mesma é produzida por negros, sofre rejeição ou inferiorização.

A religião predominante é a cristã eurocentrada, o Brasil e vários outros países do continente americano e boa parte do ocidente, é cristã. A religião cristã matou MILHARES de pessoas de outras crenças por séculos, a igreja cristã carrega na conta o sangue de milhares de pessoas pelo mundo todo. No Brasil a religião predominante é a cristã. O cristianismo/catolicismo está inserido com força na sociedade e inclusive na política. Pessoas fazem leis cristãs baseadas em suas próprias crenças, leis essas que excluem boa parte da população.

Crianças cristãs não são perseguidas e agredidas na rua por serem cristãs. Pessoas não perdem empregos por serem cristãs, a religião cristã não é motivo de chacota nacional, já que a maioria da nação é cristã. No Brasil por exemplo, as religiões mais discriminadas socialmente são as de matriz africana, como por exemplo o candomblé e a umbanda. Pessoas são agredidas fisicamente na rua por pertencerem a essas religiões, crianças levam pedradas por estarem vestidas com acessórios que identificam essas religiões, o povo caçoa, minimiza e demoniza todas as religiões não cristã, logo CRISTOFOBIA, não existe. Existe é um preconceito por parte dos cristãos de uma forma  geral, a toda e qualquer religião não cristã.

Caçoar da religião cristã, não caracteriza CRISTOFOBIA, é só uma ofensa, ou algo vindo de uma pessoa que não respeita a religião alheia (e aí também, se tem vários “motivos”/ fatores, a se considerar).

 

Chamar alguém de macumbeira, como que de maneira ofensiva, caracteriza INTOLERÂNCIA RELIGIOSA, e RACISMO.

A sociedade precisa aprender e fazer distinção dessas questões sociais e raciais pra parar de abrir a boca pra falar asneiras. Vamos nos informar gente, estamos no século XXI, essas questões já deveriam ter se desenvolvido a tempos.

Principalmente vocês que fazem parte de algum movimento social como FEMINISMO, movimento lgbt ou outros em prol dos grupos de minoria, vocês PRECISAM ter compreensão social dessas coisas, pois como defender e entender as especificações apenas de UM GRUPO afetado socialmente?

Vamos ler e nos informar para que o nossos discursos tenham o mínimo de coerência POLÍTICA e social.

 

Mãe Solo, 31 anos, Administradora e Editora da página TODAS Fridas e integrante do coletivo TODAS Fridas. Virginiana chata com lua forte em Áries. Luto pela abolição de gêneros e consequentemente de seus papéis impostos socialmente e pré definidos a partir do sexo que se nasce.

Deixe uma resposta