Crise de ansiedade: eu não sei como lidar

Esse texto será um tanto egoísta, pois eu irei falar muito de mim mesma.
Há algum tempo tenho percebido que passei do estereótipo de uma pessoa “ansiosa” para uma pessoa que tem crises de ansiedade.
Os sintomas que eu sinto são: espasmos, coração acelerado, corpo trêmulo (involuntariamente) e N sensações indescritíveis que eu não tenho como dizer.
Acho que não tenho como especificar ao meu caso “a vida que eu levo é muito corrida”, creio eu que a vida de mais de três quartos das pessoas é assim. Acordo às seis e quando a insônia deixa eu durmo às onze/meia noite, estudo (e isso realmente me afeta a cobrança de fora e a minha auto cobrança), diríamos que minha relação em casa não é muito boa, me estresso extremamente fácil. E tenho observado que esse arranjo de coisas tem me desencadeado crises horríveis.
Eu realmente não sei como lidar, eu queria que este texto fosse um texto que ajudasse outras pessoas, que sinalizasse algum modo de controlar as crises e etc, mas não, eu não tenho como fazer isso, sendo que nem com as minhas próprias eu sei controlar.
Segundo uma pesquisa da OMS a cidade de São Paulo é uma das cidades com a maior incidência de perturbações mentais do mundo… E eu realmente concordo com isso, vejo isso refletido em mim, em meus amigos, colegas, familiares, nas pessoas que eu nem conheço…
Nesta mesma pesquisa os seguintes dados são apresentados: 33% da população mundial sofre de ansiedade. É “engraçado” abordarmos esse assunto, já que para grande parcela da sociedade isso ainda é um tabu, um tabu que afeta um terço da população mundial. E sim, nós precisamos falar disso enquanto pessoas afetadas e enquanto pessoas que possuem algo do gênero e que ainda nem se quer sabem, eu mesma demorei muito tempo para entender o que eu estava sentindo. A saúde mental é tão importante quanto o “restante” de nossa saúde, precisamos falar dela é trata-la também! Não ignore o que você sente, procure ajuda.

Lê, 20, paulista. Adepta da corrente radical e, criadora da página TODAS Fridas.

Deixe uma resposta