Religião e a opressão causada as mulheres.

Esse texto não tem como objetivo apontar e acusar a religião de ninguém, muito pelo contrário, muitas religiões por si só já fazem isto.

A grande questão a ser tratada é o quão a religião é opressora as mulheres e o quão os adeptos são hipócritas. Poderia eu citar inúmeras passagens e discursos que ferem e submetem a integridade feminina, não estou citando nem o machismo velado, mas a violência, o discurso que diz as mulheres para se submeterem aos maridos, a carregarem uma cruz porque lhe foi “destinada”, a “se resguardarem”, dentro deste discurso e de muitos outros, na minha vivência eu pude ver mulheres que se submetiam a agressão física, abuso, traição, porque lhe diziam que como esposa a obrigação era sua.
É estranho estar apontando estas coisas porque pelo menos para mim, ela (religião) deveria ser um lugar acolhedor a todos independente do sexo que se nasce, não um lugar que reforça a ser alvo o tempo todo de violência.
Quando ouço falarem de um Deus, ou como preferirem chamar, penso em um Deus bondoso não em um ser que designa opressão a uma pessoa por ela ter nascido com vagina, os homens já fazem isto, aliás, eles que regem em maioria as religiões e os discursos que nos afetam negativamente — é até cômico pensar que as opressões “religiosas” também são destinadas por homens em sua maioria, já que historicamente é isso que temos: apenas os homens compunham cargos de relevância social — o que só concretiza o quanto disseminam ódio as mulheres independente do local que se esteja.
Creio que seria viável uma reflexão sobre o que realmente se prega, já que ao falar de um ser superior vocês falam sobre “bondade, misericórdia, amor sem limites” e reforçam a partir da “palavra dele” a violência de gênero, o feminicídio, machismo, apedrejam, mutilam, julgam, condenam, queimam (queimaram não nos esqueceremos). E diante destes fatos nós poderíamos substituir o designo “religioso” por “hipócrita”, cai melhor.

Lê, 20, paulista. Adepta da corrente radical e, criadora da página TODAS Fridas.

Deixe uma resposta