Minimalismo: sobre ter menos e viver mais

O que é a felicidade? Felicidade é o que as capas de revista e as propagandas mostram? É a perfeição material? É ter o carro do ano? Ter a melhor roupa? O relógio mais caro? Será que, na verdade, a felicidade não seria muito mais simples que isso? Não seria ter paz, ter poucas coisas para administrar? Ter tempo! Ter tempo para ouvir o canto dos pássaros, correr no parque… Fazer uma viagem com.. O dinheiro que você faria compras!? O minimalismo se trata disso, de ter menos e viver mais. Economizar tempo e dinheiro que você gastaria comprando coisas por impulso e as administrando. O luxo não faz parte da verdadeira felicidade. Ser feliz é saber admirar tudo que é simples e belo. Ser feliz é conseguir viver em paz e satisfeito com o essencial.

O minimalismo tem como proposta analisar nosso comportamento ao longo de toda nossa vida. Avaliar o quanto acumulamos de coisas, o quanto gastamos com bobagens desnecessárias… Por exemplo, porque ter 20 pares de sapatos se é necessário menos que isso? Fazer esse questionamento com tudo.  Avaliar racionalmente quantas unidades precisamos de cada tipo de coisa que temos.

Essa análise vai se propagar por todos os cômodos da nossa casa. Itens de cozinha, móveis, eletrodomésticos… Até mesmo verificar se é necessário ter uma casa grande! Uma casa pequena pode ser muito mais vantajosa, pois aproxima mais seus moradores e traz menos transtornos de manutenção.

Claro, você pode ter sua coleção de livros ou de fotos, de qualquer coisa que tenha um valor sentimental muito grande. Isso não é proibido! A proposta é analisar o que pode ser descartado, ou seja, que não tenha nenhum valor (tanto emocional quanto prático). A ideia central é praticar o desapego e mudar seus hábitos de gastos! Comprar coisas que realmente serão úteis, necessárias e tem algum valor para a sua vida.

O passo inicial é analisar todos os seus itens e verificar o que vai ser mantido e o que vai ser doado. Muito importante abrir a mente nessa hora! Fazer uma avaliação racional e crítica. Não ter medo de se desapegar, principalmente das roupas em excesso! Além de se livrar de coisas que só ocupam espaço e dão trabalho, você irá ajudar muitas pessoas com doações!

Após “a faxina”, chega a hora de mudar os hábitos, começar a comprar consciente! O autocontrole é fundamental nesse momento. Quando a vontade de comprar uma bobagem for muito grande, lembre-se que, poupando esse dinheiro, poderia juntá-lo para fazer uma viagem, comprar algo maior, pagar algum curso ou fazer qualquer coisa que tenha um apelo sentimental ou útil maior. O dinheiro vai começar a se tornar muito mais fácil de juntar seguindo esses passos!

Outra coisa, o minimalismo abrange o conceito de nos desapegarmos das aparências! Trocar de carro todo ano, comprar a roupa da marca mais cara, ter sempre o celular mais avançado não é o mais importante na vida! Cada vez que trocamos esses itens compulsivamente, geramos mais e mais lixo! Agredimos mais nosso meio ambiente. Poderíamos ter uma natureza e uma sociedade muito mais saudável se todos nós consumíssemos apenas o necessário e produzíssemos menos lixo. Sobraria mais tempo para se viver a vida, pois pouparíamos o tempo de comprar, produzir e manter coisas! Claro que essa análise mais profunda mexe até com nossa forma de sociedade, mas ela é importante e deve ser levantada. Temos que estar sempre nos questionando sobre o que é mais sensato e evoluir.

Se pararmos para pensar, estamos aqui apenas para evoluir como seres humanos. Criamos, ao longo das nossas existências, muitos hábitos e coisas inúteis. E com tudo isso, desviamo-nos do essencial, da nossa reforma íntima, de viver com simplicidade. O minimalismo vai se tornar algo essencial nas próximas décadas por que nosso planeta simplesmente está ficando doente, não podemos mais criar tanto lixo a toa! Mais do que isso, nós devemos avançar como sociedade buscando a igualdade de direitos e o bem-estar de todos.

Desapegue de tudo que for inútil sem medo.

 

 

Artista, escritora, poetisa e estudante de engenharia química.

Dedico minha vida a estudar o máximo possível e compartilhar o que aprendo com quem estiver disposto a refletir comigo. A vida é muito bonita e, para quem está disposto a mudar o mundo, é mais linda ainda!

Não podemos deixar a beleza morrer! Através da arte, da ciência, da filosofia, eu luto para que a beleza continue viva!

 

Deixe uma resposta