Em tempos tenebrosos como os de agora, faz-se a urgência em entender a diferença entre opinião e história, opinião e sociologia, opinião e filosofia, opinião e geografia, etc. Observem que a maior parte de nossa história em tempos tenebrosos como os de agora, faz-se a urgência em entender a diferença entre opinião e história, opinião e sociologia, opinião e filosofia, opinião e geografia, etc. Observem que a maior parte de nossa história, a opinião prevalece aos estudos históricos, sociológicos e filosóficos, etc. Note, que a opinião formada através da falta de leitura e estudos acaba desfavorecendo a nação e isso ajuda que uns poucos continuem dando ordens aqui abaixo da linha do Equador.
A ideia, por exemplo, de que nos bairros mais pobres estão os assassinos e ladrões da nossa sociedade, ou que as mulheres são naturalmente mais frágeis do que os homens, fazem parte do equivoco desse porte. Sem uma noção histórica, social, cultural e filosófica do porque pensamos dessa maneira, a população repete essas ideias sem perceber que apoiando essa visão de mundo, retrocedemos e somos contra nossos próprios direitos a liberdade e respeito.
Digo isso, porque muitas vezes ouvimos da própria vitima essa ideia equivocada, uma mulher me disse, outro dia, que o marido dela mandava em casa porque era mais forte e inteligente, a questionei como tinha chego a essa conclusão, ela não soube explicar, terminando sua fala com, que era sua opinião. Ou, o caso de um aluno negro e pobre que acredita que a policia tem que matar mesmo se for bandido, e que o Bolsonaro vai salvar nosso país da miséria, quando lhe perguntei por que pensava assim, a mesma confusão de ideias, e terminou a fala se apoiando em que o pastor de sua igreja que tinha dito aquilo.


Na verdade, não há nada de errado em opinar, desde que seja uma opinião formada criticamente, baseada historicamente, sociologicamente, é para isso que servem, ou deveriam servir as ciências humanas.
É dessa necessidade que me refiro, da urgência de fazer entender que sua opinião porque sim, não é pauta viável para discutir problemas sociais, e que os comportamentos sociais estão sendo analisados por cientistas de humanidades, durante séculos, que estudam e se pautam na história, sociologia, geografia e filosofia.
Engraçado notar, que ciência em nossa sociedade é física, química, medicina e sei lá mais o que, mas quando falamos de humanidades as pessoas culturalmente inferiorizam essa ciência e continuam repetindo a ideia de um monte de gente que é comunista e vota no Lula. Tempos difíceis esses, que a maioria dos indivíduos não entendeu ainda, que Ciências Humanas deveriam nos salvar das trevas.


Tanto inferiorizam as Humanas, que é visto como coisa de mulher, e exatas coisa de homem, reverberando esse governo ilegítimo que propõem tirar essas disciplinas da grade curricular do nosso país. A população quando foca na opinião e não na historicidade do tema, acaba apoiando governos ditatoriais ladrões a agirem de maneira a alienar e não cumprir com os direitos básicos da democracia.
Por isso, se faz a urgente necessidade de se ensinar a diferença entre opinião e história, sociologia e filosofia, há de colocar em pauta essas explicações em sala de aula, no metrô, ponto de ônibus, feiras livres e bate papos em nosso cotidiano. Não dá mais para aceitar que tudo entre no mesmo saco e discurso.
Enfraquecer essa explicação é como neutralizar uma crítica histórica da política, cultura, dos problemas sociais sendo pré-conceituosos com temas que podem definir a liberdade de lutar por direitos básicos como educação, moradia, liberdade sexual, etc.
Conversemos com nossos filhos, sobrinhos, alunos pode que as novas gerações entendam que as ciências humanas são tão quanto importantes que as exatas e biológicas, que devemos ler e nos interessar, já que elas discutem e analisam nossas vidas, passados consequentemente tempos atuais e pode que até nosso futuro.
Em tempos tenebrosos como os de agora, faz-se a urgência em entender a diferença entre opinião e história, opinião e sociologia, opinião e filosofia, opinião e geografia, etc. Observem que a maior parte de nossa história, a opinião prevalece aos estudos históricos, sociológicos e filosóficos, etc. Note, que a opinião formada através da falta de leitura e estudos acaba desfavorecendo a nação e isso ajuda que uns poucos continuem dando ordens aqui abaixo da linha do Equador.
A ideia, por exemplo, de que nos bairros mais pobres estão os assassinos e ladrões da nossa sociedade, ou que as mulheres são naturalmente mais frágeis do que os homens, fazem parte do equivoco desse porte. Sem uma noção histórica, social, cultural e filosófica do porque pensamos dessa maneira, a população repete essas ideias sem perceber que apoiando essa visão de mundo, retrocedemos e somos contra nossos próprios direitos a liberdade e respeito.
Digo isso, porque muitas vezes ouvimos da própria vitima essa ideia equivocada, uma mulher me disse, outro dia, que o marido dela mandava em casa porque era mais forte e inteligente, a questionei como tinha chego a essa conclusão, ela não soube explicar, terminando sua fala com, que era sua opinião. Ou, o caso de um aluno negro e pobre que acredita que a policia tem que matar mesmo se for bandido, e que o Bolsonaro vai salvar nosso país da miséria, quando lhe perguntei por que pensava assim, a mesma confusão de ideias, e terminou a fala se apoiando em que o pastor de sua igreja que tinha dito aquilo.
Na verdade, não há nada de errado em opinar, desde que seja uma opinião formada criticamente, baseada historicamente, sociologicamente, é para isso que servem, ou deveriam servir as ciências humanas.
É dessa necessidade que me refiro, da urgência de fazer entender que sua opinião porque sim, não é pauta viável para discutir problemas sociais, e que os comportamentos sociais estão sendo analisados por cientistas de humanidades, durante séculos, que estudam e se pautam na história, sociologia, geografia e filosofia.
Engraçado notar, que ciência em nossa sociedade é física, química, medicina e sei lá mais o que, mas quando falamos de humanidades as pessoas culturalmente inferiorizam essa ciência e continuam repetindo a ideia de um monte de gente que é comunista e vota no Lula. Tempos difíceis esses, que a maioria dos indivíduos não entendeu ainda, que Ciências Humanas deveriam nos salvar das trevas.
Tanto inferiorizam as Humanas, que é visto como coisa de mulher, e exatas coisa de homem, reverberando esse governo ilegítimo que propõem tirar essas disciplinas da grade curricular do nosso país. A população quando foca na opinião e não na historicidade do tema, acaba apoiando governos ditatoriais ladrões a agirem de maneira a alienar e não cumprir com os direitos básicos da democracia.
Por isso, se faz a urgente necessidade de se ensinar a diferença entre opinião e história, sociologia e filosofia, há de colocar em pauta essas explicações em sala de aula, no metrô, ponto de ônibus, feiras livres e bate papos em nosso cotidiano. Não dá mais para aceitar que tudo entre no mesmo saco e discurso.
Enfraquecer essa explicação é como neutralizar uma crítica histórica da política, cultura, dos problemas sociais sendo pré-conceituosos com temas que podem definir a liberdade de lutar por direitos básicos como educação, moradia, liberdade sexual, etc.
Conversemos com nossos filhos, sobrinhos, alunos pode que as novas gerações entendam que as ciências humanas são tão quanto importantes que as exatas e biológicas, que devemos ler e nos interessar, já que elas discutem e analisam nossas vidas, passados consequentemente tempos atuais e pode que até nosso futuro.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here