Vamos falar sobre término de relacionamento?

Com certeza já ouviram frases como: “se não foi é porque não era para ser”, “dar errado foi a melhor coisa que aconteceu”, “o que é para acontecer tem força”, etc. Eu sei que pode parecer um pouco clichê, mas já pensaram sobre a verdade em tudo isso?

Quando terminamos um relacionamento costumamos sentir como se estivesse ocorrido um fracasso. Quando nos perguntam o motivo do término, nos acostumamos a responder: “não deu certo”.

Convido primeiramente vocês a pensar um pouco sobre isso: O que é um relacionamento dar certo?

Ainda carregamos enraizada em nossa sociedade uma ideia de amor que envolva sacrifício, dor, tolerar tudo e por vezes até submissão. Carregamos ainda aquela ideia romantizada, idealizada de amor lá da época ainda de Romeu e Julieta, na qual um amor é eternizado na história se envolver sacrifício.

Para se ter um relacionamento longo, com certeza é necessário paciência, tolerância, persistência. Porém, existe uma distância importante entre isto e a tolerância de abusos físicos, psicológicos, sexuais e financeiros. Precisamos tomar bastante cuidado para não romantizar relacionamentos só pelo tempo que duram se estes não são relacionamentos saudáveis.

Terminar um relacionamento no qual não se está feliz por qualquer motivo, destacando aqui as relações abusivas, nada tem de fracasso, muito pelo contrário, mostra o quanto se é corajosa, conseguindo colocar em prioridade a pessoa mais importante do mundo: VOCÊ MESMA!

Mas o que será que nos faz permanecer por longo tempo em relações desgastadas ou abusivas?

  • Dependência emocional: Olhe para sua relação e avalie será que o que te “prende” nessa relação é especialmente amor ou dependência emocional?

Quando sentimos dependência o sentimento é aquele de desespero ao pensar em ficar sem a pessoa, aquela sensação de necessidade de ter a pessoa em sua vida, sentir que sem ela sua vida não fará mais sentido e não conseguirá fazer nada do que faz, nem progredir.

Em um relacionamento abusivo, essa sensação de dependência durante e após o término do relacionamento pode se tornar mais intensa. A dinâmica do relacionamento abusivo gera dependência emocional pois, por vezes, o abusador por ciúme e controle limita com quais pessoas a parceira pode se relacionar, controle este que pode ser tão intenso ao ponto de reduzir a convivência somente ao parceiro.

O abusador, pode fazer com que a parceira se sinta insegura de diversas maneiras, questionando sua inteligência, capacidade de realizar tarefas, aparência, caráter e até sanidade. Fazendo assim por vezes, que a parceira sinta que não é capaz e suficiente e precisa do abusador para realizar quaisquer atividades, tudo que fizer sozinha, não conseguirá, se sente “errada”.

Após um relacionamento como este, é normal sentir falta, saudade, se sentir “perdida”, ter medo de querer voltar ou se sentir confusa. Tudo isso é consequência da própria dinâmica do relacionamento que afeta significativamente a autoestima.

 

  • Medo de ficar só: Vivemos em uma sociedade patriarcal, machista. Na qual, uma mulher ficar só ainda não é bem visto, é considerado como fracasso, como se não tivesse conseguido ninguém que a amasse. Sendo considerada por vezes incompleta por não se casar ou ter filhos.

Esse medo pode fazer com que se sinta forte medo de terminar o relacionamento e permanecer só por longo tempo.

Precisamos desconstruir essas imposições dia-a-dia. Estar só não é sinal de fracasso, podemos estar sós sentindo solitude, não solidão. Apreciando nossa companhia, poder fazer o que tiver vontade, somente por você!  Seja passar uma noite tranquila assistindo série e comendo brigadeiro de panela, fazendo uma viagem, indo ao cinema, dançar sua música preferida sozinha pela casa, cantar no chuveiro, apreciar VOCÊ!

Entenda, estar só não é fracasso, pode ser escolha. Só devemos nos envolver em relações que de fato agreguem felicidade em nossas vidas, não que nos façam felizes, somente nós podemos encontrar nossa felicidade e completude.

 

Após um término de relacionamento, não tem problema sentir tristeza, chorar, sentir falta ou se sentir vulnerável. É importante se permitir sentir todos estes sentimentos, fazem parte do luto do término dessa relação. Mas tudo isso, é parte do seu processo de cura. Neste processo conseguirá se (re)encontrar com você mesma, trazer você de volta, lembrar a mulher incrível que é, que esteve aí o tempo todo! Agora ainda mais forte, mais madura, cheia de amor próprio!

Após esse amadurecimento necessário, caso queira, poderá se sentir mais preparada para ter um relacionamento saudável, poder escolher alguém de fato te faz bem, sem desespero, sem precisar moldar o outro às suas necessidades. Pois, agora saberá que não precisa ter alguém, escolhe ter!

Não tem problema nenhum em querer namorar, casar, ter filhos. Assim como não tem problema em querer ficar somente em sua companhia.

Não tem problema em se enganar, mudar de ideia, acreditar que um relacionamento será eterno e terminar com poucos meses por não se estar feliz. O que tem problema é permanecer em relações que ferem, que fazem sofrer.

Lembre-se você dona de você mesma! De suas escolhas, só você!

Amor não é dependência, é estar sempre livre para escolher ir embora e mesmo assim escolher ficar, porque se QUER, não se necessita!

 

Re(encontre-se)!

Você é forte!

Incrível!

Suficiente!

(Imagem de destaque créditos a Helena Morani @helenamorani)

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here